Destaque Geral

Ceará precisa vacinar pelo menos 60% da população para controlar a pandemia, diz estudo

Atualmente, 7,4% dos cearenses receberam a imunização com às duas doses da vacina contra a Covid-19. Por outro lado, a maior parte da população do Estado ainda espera sua chance na fila de espera. Contudo, projeções científicas indicam que o ideal para a proteção coletiva, neste momento da pandemia, seria quase nove vezes esse percentual. A cobertura vacinal mínima para conter a expansão do vírus no Estado é de 60,6% dos cearenses, de acordo com um estudo lançado neste mês pelo Grupo Ação Covid, que reúne 25 pesquisadores de 13 universidades do Brasil, França e Inglaterra. Eles analisaram o cenário entre 19 de março e 19 de abril.Este é o maior índice entre todos os Estados do Brasil, embora Espírito Santo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte também tenham apresentado necessidade de aumento da cobertura vacinal em abril. Com o agravamento da pandemia desde o início de 2021, os cálculos do coletivo indicam que urgência de proteção coletiva cresceu no Ceará. Conforme o levantamento, a cobertura mínima mensal seria de:

  • Dezembro/2020: 22,2%
  • Janeiro: 30,2%
  • Fevereiro: 43,8%
  • Março: 54,8%
  • Abril: 60,6%

Na prática, a situação é outra. Sem estoque de vacinas, municípios como Juazeiro do Norte, Horizonte, Várzea Alegre, Cedro, Acopiara e Icó relataram não ter mais como aplicar segunda dose. Na Capital, a campanha com a Coronavac foi parada pela falta de imunizantes. Beatriz Carniel, doutora em Medicina Tropical pela Universidade de Liverpool e integrante do Grupo, elenca três grandes fatores para o aumento do índice: a queda na adesão ao isolamento, a falta de auxílios financeiros governamentais para a população mais vulnerável e o surgimento de novas variantes do coronavírus.

O governador do Estado, Camilo Santana, ressalta que busca “cada vez mais” incrementar a vacinação, seja através da requisição de novos lotes ao Governo Federal ou por aquisição direta, como na tentativa de compra da vacina russa Sputnik V, ainda não liberada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Quando o isolamento diminui, as pessoas que não são imunes saem de casa e começam a circular, fazendo com que o vírus contamine muito mais

Além do Ceará, outros 11 Estados e o Distrito Federal precisam vacinar mais de 40% da população para controlar o contágio, segundo o coletivo científico. As metas são “impossíveis de serem atingidas a curto prazo”, alerta.

Ritmo Crescente: Um levantamento do Diário do Nordeste, com base nos dados diários do vacinômetro divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), aponta que a média móvel de vacinados por dia no Ceará segue, atualmente, uma tendência de crescimento. Ao todo, 14,3% da população cearense – 1,31 milhão de pessoas – já recebeu pelo menos uma dose, seja da AstraZeneca ou da Coronavac. Até o momento, também abril é o mês em que o Estado recebeu mais vacinas: o quantitativo é 45% superior a março e o triplo em relação a janeiro, mês de início da imunização em todo o Brasil.

  • Janeiro: 334.900
  • Fevereiro: 244.700
  • Março: 753.750
  • Abril: 1.096.950

A Sesa é responsável por receber as doses do Ministério da Saúde e então distribuí-las, em rotas, para a Capital e o Interior. A logística de aplicação é de responsabilidade de cada município. Diariamente, eles respondem a um formulário da Secretaria para a atualização do vacinômetro. Até a última Quarta-feira Dia 28 de abril, foram aplicadas 2.000.204 doses, nas duas etapas.

Vacinação Comprometida: Mesmo com o ritmo ascendente de vacinação, diversos municípios cearenses interromperam a aplicação dos imunizantes pela falta de doses. Quem repassa as vacinas é o Governo Federal, dentro do Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Na última Terça-feira Dia 27/04, a Sesa orientou os municípios a reterem o estoque de D2 das vacinas, esclarecendo à população que, mesmo quem perder o prazo estipulado pelos fabricantes, deve completar o esquema de imunização. Já nesta Quinta Dia 29, o Estado recebeu o reforço de mais 192 mil vacinas. O governador Camilo Santana também divulgou que o primeiro lote de vacinas da Pfizer chega ao Ceará no início de maio. Serão 17.550 doses.

Alexandre Lopes – Radialista Profissional DRT 5722/CEFoto principal da Matéria: Thiago Gadelha Pesquisa de Dados da Matéria: diariodonordeste.verdesmares.com.br/metro